Blog

O mestre espiritual SRI PREM BABA afirma que o NOVO CORONAVÍRUS é o REMÉDIO amargo que promoverá o AUTOCONHECIMENTO e a revisão das necessidades

PREM BABA VÊ PANDEMIA COMO OPORTUNIDADE PARA SE RECONECTAR COM A VIDA

September 14, 2020

(English below/ Español abajo)

Prem Baba, como o senhor vê o NOVO CORONAVÍRUS, que está matando milhares de pessoas e lançando a economia na pior recessão desde a segunda guerra?

R: Vejo essa PANDEMIA como uma guerra mundial. Porém, é uma guerra de nós com nós mesmos. É um grande desafio, uma oportunidade de despertar. Por mais dolorido que seja, é um presente, um elemento de uma revolução da consciência. Está desafiando nossos condicionamentos e crenças. Neste momento, estamos sendo forçados a nos isolar e a ficar conosco mesmos, com a nossa família em casa, revendo escolhas e decisões. Quem sabe, a partir daí, promoveremos mudanças que favoreçam a nossa evolução e a paz que tanto ansiamos. E que possibilitem que façamos uma revisão das nossas necessidades.

Por que estamos sofrendo essa crise, Prem Baba?

R: O que vivemos é um espelho de como estamos. Somos a realidade que queremos, temos o futuro em nossas mãos. Estamos vivendo o começo de uma transição planetária que está trazendo uma grande purificação e uma possibilidade de transformação. Se nós quisermos um resultado diferente, temos que mudar alguma coisa em nossa vida, em nossos hábitos, em nossos comportamentos, no jeito que escolhermos viver a vida. É um convite para abrirmos os olhos e enxergar a realidade de uma forma mais objetiva. Porque seria um grande desperdício se, após esse grande sofrimento, nós nos mantivéssemos os mesmos.

Prem Baba, a conscientização leva a essa possibilidade de transformação?

R: Sinto que esse NOVO CORONAVÍRUS é um elemento importante dentro da revolução da consciência. O elemento básico dessa revolução é o processo de expansão da consciência. O objetivo é se conhecer e enfrentar seus demônios internos. Temos uma percepção muito limitada da realidade porque somos reféns de condicionamentos mentais. Esse estado de identificação com a mente é como uma prisão. E só é possível nos libertarmos quando reconhecemos que estamos presos.

Como a pandemia pode nos ajudar a tomar consciência, Prem Baba?

R: O NOVO CORONAVÍRUS está fazendo com que a gente tome consciência da nossa escravidão do medo. A verdade, muitas vezes, é um REMÉDIO amargo, mas é um REMÉDIO de cura. Estamos em algum grau acessando a verdade. Entendo que a verdade nos liberta. Esse remédio pode ser um ingrediente importante nessa revolução da consciência. Ela acontece através do autoconhecimento que, por sua vez, começa com a conscientização de quem você acredita ser, onde você acredita estar. Muitas vezes, essa conscientização é chocante. Quando começamos a tomar consciência que nos colocamos numa prisão e que não sabemos como abrir a porta da cela, é muito desconfortável. Quando você descobre que a mente te usa e você não a usa, que você tenta a todo custo se livrar da mente condicionada, e não consegue, pode ser aterrorizante. O primeiro vislumbre da verdade muitas vezes aprofunda nossa fragilidade. E é só o princípio da autodescoberta.

Prem Baba, o senhor pode explicar como é o processo de autoconhecimento?

R: Você entra em contato com as capas que encobrem a verdade de quem você é e que estão atreladas ao tempo psicológico. Essas capas ou máscaras são formadas pelas experiências do passado e pelas nossas imaginações em relação ao futuro. Esse processo de desvendamento permite que as máscaras caiam e, aos poucos, você vai se acostumando com a luz do momento presente. Daí, aprende a relaxar na luz, sem querer mudar nada. Você se aproxima da natureza que te cerca e da na sua própria natureza. Você passa a viver. Essa é a transcendência da morte. Porque neste estado de percepção, você realiza que a morte é apenas um invólucro da vida. Acendemos a luz quando reconhecemos que estamos no escuro. Por mais doloroso que seja, por mais amargo que seja esse REMÉDIO, ele é necessário para que possamos nos reconectar com a vida.

Prem Baba, quando o senhor diz que não estamos acostumados com a luz do presente, quer dizer que vivemos apegados ao passado?

R: Todo nosso sistema está a serviço do medo, que se vale do fluxo do tempo psicológico, programado em nosso DNA para ser mantido. Perceba que o carcereiro é o medo e todo sistema nos leva mais fundo para a prisão. Cada vez mais apegados à matéria e reféns do medo da escassez, reprimidos sexualmente, e impedidos de relaxar no êxtase do momento presente. O passado, na verdade, são apenas memórias. E estamos atados a ele, sonhando essas memórias e supondo que isso é a vida. Memórias que projetam um futuro que também acreditamos que seja vida. Mas não é isso. Elas são apenas fantasias, imaginação. Vivemos um sonho, um grande equívoco, não é real.

Mas Prem Baba como acontece isso, como sair do sonho?

R: É raro quem acorda. Só o presente existe. Só no momento presente é que está a vida. Somente quando você se permite se sintonizar com a vida no momento presente é que você saboreia a liberdade e a simplicidade de viver. O momento presente representa uma quebra nesse fluxo psicológico do tempo. É onde você pode saborear a existência. Ou, se você preferir, Deus. Ou ainda, a realidade.

Qual é a maneira de se conectar com o presente, Prem Baba?

R: Hoje, todo o nosso sistema nos leva a dormir e a sonhar. Todas nossas redes neurais nos levam a repetir os padrões. Isso em algum momento precisa ser quebrado, o salto evolutivo é sinônimo de um descondicionamento. O novo estágio acontece quando aprendemos usar a mente. A mente identificada com o fluxo do tempo faz você acreditar que necessita de muita coisa para conseguir ter um futuro diferente. Isso faz a vida complexa e absolutamente irreal. De que você realmente precisa para ser feliz? De que você necessita para ter paz? Viver na simplicidade é se colocar no presente. De momento a momento. Para isso, se faz necessário renúncia e o desapego em um nível profundo.

Como viver a simplicidade, Prem Baba?

R: Toda essa experiência que estamos vivendo nesse ciclo do tempo é um REMÉDIO amargo para propiciar renúncia e desapego. Eu vejo a vida a favor, não contra, por mais difícil que seja algumas vezes. Quem gosta de REMÉDIO amargo? Quem gosta de reformar a casa estando dentro da casa? Acho que ninguém. Estamos tendo a chance de renovar a casa, se tivermos essa flexibilidade. Temos a capacidade de nos adaptarmos e logo teremos uma casa melhor. O que é essa revolução de consciência senão uma reforma íntima?

Confira também nosso artigo em que Prem Baba ensina a redescobrir o amor no casamento.

***

PREM BABA SEES PANDEMIC AS AN OPPORTUNITY TO RECONNECT WITH LIFE

The spiritual master SRI PREM BABA states that the NEW CORONAVIRUS is the bitter medicine that will promote SELF-KNOWLEDGE and the revision of needs

Prem Baba, how do you see the NEW CORONAVIRUS, which is killing thousands of people and throwing the economy into the worst recession since the second war?

A: I see this PANDEMIC as a world war. However, it’s a war between us and ourselves. It’s a great challenge, an opportunity to awaken. As painful as it is, it’s a gift, an element of a consciousness revolution. It’s challenging our conditioning and beliefs. Right now, we are being forced to isolate and stay with ourselves, with our family at home, reviewing choices and decisions. Who knows, maybe from then on we will promote changes that favor our evolution and the peace that we so much long for; changes that allow us to review our needs.

Why are we suffering from this crisis, Prem Baba?

A: What we experience is a mirror of how we are. We are the reality we want, we have the future in our hands. We are living the beginning of a planetary transition that is bringing great purification and a possibility for transformation. If we want a different result, we have to change something in our life, in our habits, in our behaviors, in the way we choose to live life. It’s an invitation to open our eyes and see reality in a more objective way. Because it would be a great waste if, after this great suffering, we remained the same.

Prem Baba, does awareness lead to this possibility of transformation?

A: I feel that this NEW CORONAVIRUS is an important element within the consciousness revolution. The basic element of this revolution is the process of expanding consciousness. The goal is to get to know yourself and face your inner demons. We have a very limited perception of reality because we are hostages of mental conditioning. This state of identification with the mind is like a prison. And it is only possible to break free when we recognize that we are prisoners.

How can the pandemic help us to become aware, Prem Baba?

A: The NEW CORONAVIRUS is making us aware of our slavery to fear. The truth is often a bitter medicine, but a healing one. We are in some degree accessing the truth. I understand that the truth sets us free. This medicine can be an important ingredient in this revolution of consciousness. It happens through self-knowledge, which, in turn, begins with the awareness of who you believe to be and where you believe you are. This awareness is often shocking. When we start to realize that we put ourselves in prison and that we don't know how to open the cell door, it’s very uncomfortable. When you discover that the mind uses you and you don't use it, that you try at all costs to get rid of the conditioned mind and you can't, it can be terrifying. The first glimpse of the truth many times deepens us into our fragility. And it’s only the beginning of self-discovery.

Prem Baba, can you explain what the process of self-knowledge is like?

A: You get in touch with the layers that cover the truth of who you are and that are tied to a psychological time. These layers or masks are formed by the experiences of the past and by our imaginations regarding the future. This unveiling process allows the masks to fall off and, little by little, you will get used to the light of the present moment. And then, you learn to relax in the light without wanting to change anything. You get closer to the nature around you and to your own nature. You start to live. This is the transcendence of death. Because in this state of awareness, you realize that death is just a wrapper of life. We turn on the light when we recognize that we are in the dark. As painful as it may be, however bitter this REMEDY is, it’s necessary in order for us to reconnect with life.

Prem Baba, when you say that we are not used to the light of the present, do you mean that we live attached to the past?

A: Our entire system is at the service of fear, which uses the flow of psychological time programmed in our DNA to be maintained. Realize that the prison officer is fear and the entire system takes us deeper into prison. Increasingly attached to matter and hostages of the fear of scarcity, sexually repressed, and prevented from relaxing in the ecstasy of the present moment. The past, in fact, are just memories. And we are tied to it, dreaming those memories and assuming that’s what life is. Memories that project a future that we also believe to be life. But that is not it. They are just fantasies, imagination. We live a dream, a big mistake, it’s not real.

But Prem Baba, how does this happen, how to get out of the dream?

A: It’s rare those who awaken. Only the present exists. Only in the present moment that life lies. Only when you allow yourself to be in tune with life in the present moment do you taste the freedom and simplicity of living. The present moment represents a break in this psychological flow of time. It’s where you can taste existence. Or, if you prefer, God. Or yet, reality.

What’s the way to connect with the present, Prem Baba?

A: Today, our entire system leads us to sleep and dream. All of our neural networks lead us to repeat the patterns. This, at some point, needs to be broken, the evolutionary leap is synonymous with deconditioning. The new stage happens when we learn to use the mind. The mind identified with the flow of time makes you believe that you need a lot to achieve a different future. This makes life complex and absolutely unreal. What do you really need to be happy? What do you need to have peace? To live in simplicity is to put yourself in the present. From moment to moment. For that, renunciation and detachment on a deep level are necessary.

How to live simplicity, Prem Baba?

A: All this experience that we are living in this cycle of time is a bitter REMEDY to provide renunciation and detachment. I see life for, not against, however difficult it may be sometimes. Who likes bitter REMEDY? Who likes to renovate the house while inside the house? No one, I guess. We are having the chance to renovate the house, if we have that flexibility. We have the ability to adapt and soon we will have a better home. What is this revolution of consciousness but an intimate reform?

Also check out our article in which Prem Baba teaches to rediscover love in marriage.

***

PREM BABA VE LA PANDEMIA COMO UNA OPORTUNIDAD PARA RECONECTARSE CON LA VIDA

El maestro espiritual SRI PREM BABA afirma que el NUEVO CORONAVIRUS es la MEDICINA amarga que promoverá el AUTOCONOCIMIENTO y la revisión de las necesidades

Prem Baba, ¿cómo ve usted el NUEVO CORONAVIRUS, que está matando a miles de personas y lanzando la economía a la peor recesión desde la segunda guerra mundial?

R: Veo esta PANDEMIA como una guerra mundial. Sin embargo, es una guerra de nosotros contra nosotros mismos. Es un gran desafío, una oportunidad para despertar. Por muy doloroso que sea, es un regalo, un elemento de una revolución de la consciencia. Está desafiando nuestros condicionamientos y creencias. En este momento, se nos está forzando a estar aislados y permanecer con nosotros mismos, con nuestra familia en casa, revisando nuestras elecciones y decisiones. Quién sabe si a partir de eso, vamos a promover cambios que favorezcan nuestra evolución y la paz que tanto anhelamos. Y que nos den la posibilidad de revisar nuestras necesidades.

¿Por qué estamos sufriendo esta crisis, Prem Baba?

R: Lo que vivimos es un espejo de cómo estamos. Somos la realidad que queremos, tenemos el futuro en nuestras manos. Estamos viviendo el comienzo de una transición planetaria que está trayendo una gran purificación y una posibilidad de transformación. Si queremos un resultado diferente, tenemos que cambiar algo en nuestra vida, en nuestros hábitos, en nuestro comportamiento, en la forma en que elegimos vivir la vida. Es una invitación a abrir los ojos y ver la realidad de una manera más objetiva. Porque sería un gran desperdicio que, después de este gran sufrimiento, siguiéramos siendo los mismos.

Prem Baba, ¿la concienciación lleva a esta posibilidad de transformación?

R: Siento que este NUEVO CORONAVIRUS es un elemento importante dentro de la revolución de la consciencia. El elemento básico de esta revolución es el proceso de expansión de la conciencia. El objetivo es conocerse a uno mismo y enfrentarse a sus demonios internos. Tenemos una percepción muy limitada de la realidad porque somos rehenes del condicionamiento mental. Este estado de identificación con la mente es como una prisión. Y sólo podemos liberarnos cuando reconocemos que estamos presos.

¿Cómo puede la pandemia ayudarnos a tomar conciencia, Prem Baba?

R: El NUEVO CORONAVIRUS nos hace conscientes de nuestra esclavitud al miedo. La verdad es a menudo una MEDICINA amarga, pero es una MEDICINA de curación. Estamos accediendo a la verdad en algún grado. Entiendo que la verdad nos hace libres. Esa medicina  puede ser un ingrediente importante en esta revolución de la conciencia. Sucede a través del autoconocimiento, que a su vez comienza con la conciencia de quién crees que eres, donde crees que estás. A menudo, esta conciencia es impactante. Cuando empezamos a darnos cuenta de que nos hemos metido en la cárcel y no sabemos cómo abrir la puerta de la celda, es muy incómodo. Cuando descubres que la mente te usa a ti y tú no la usas a ella, que intentas a toda costa deshacerte de la mente condicionada, y no puedes, puede ser aterrador. El primer atisbo de la verdad a menudo aumenta nuestra fragilidad. Y es sólo el principio del auto-descubrimiento.

Prem Baba, ¿usted puede explicar cómo es el proceso del autoconocimiento?

R: Te pones en contacto con las capas que cubren la verdad de quién eres y que están ligadas al tiempo psicológico. Estas capas o máscaras están formadas por las experiencias del pasado y por nuestra imaginación sobre el futuro. Este proceso de sacar las vendas permite que las máscaras se caigan, y poco a poco te acostumbras a la luz del momento presente. Luego aprendes a relajarte en la luz, sin querer cambiar nada. Te acercas a la naturaleza que te rodea y a la de tu propia naturaleza. Empiezas a vivir. Esa es la trascendencia de la muerte. Porque en este estado de percepción, te das cuenta de que la muerte es sólo una envoltura de la vida. Encendemos la luz cuando reconocemos que estamos en la oscuridad. Por muy doloroso que sea, por muy amarga que sea esta MEDICINA, es necesaria para que podamos reconectarnos con la vida.

Prem Baba, cuando Ud. dice que no estamos acostumbrados a la luz del presente, ¿quieres decir que vivimos apegados al pasado?

R: Todo nuestro sistema está al servicio del miedo, que depende del flujo del tiempo psicológico, programado en nuestro ADN para mantenerse. Dese cuenta de que el carcelero es el miedo y todo el sistema nos lleva más adentro de la prisión. Cada vez más apegados a la materia y rehenes del miedo a la escasez, sexualmente reprimidos, e incapaces de relajarnos en el éxtasis del momento presente. El pasado, de hecho, son sólo recuerdos. Y estamos atados a él, soñando estos recuerdos y suponiendo que de esto se trata la vida. Recuerdos que proyectan un futuro que también creemos que sea vida. Pero no es eso. Son sólo fantasías, imaginación. Vivimos un sueño, un gran equívoco, no es real.

Pero Prem Baba, ¿cómo sucede eso, cómo salir del sueño?

R: Es raro que alguien se despierte. Sólo existe el presente. La vida sólo está en el momento presente. Sólo cuando te permites sintonizar con la vida en el momento presente, saboreas la libertad y la simplicidad de vivir. El momento presente representa una ruptura en ese flujo psicológico del tiempo. Es donde puedes saborear la existencia. O, si lo prefieres, Dios. O la realidad.

¿Cuál es la manera de conectarse con el presente, Prem Baba?

Hoy en día, todo nuestro sistema nos lleva a dormir y a soñar. Todas nuestras redes neuronales nos llevan a repetir los patrones. Esto en algún momento debe romperse, el salto evolutivo es sinónimo de descondicionamiento. La nueva etapa tiene lugar cuando aprendemos a usar la mente. La mente identificada con el flujo del tiempo te hace creer que necesitas muchas cosas para tener un futuro diferente. Esto hace que la vida sea compleja y absolutamente irreal. ¿Qué es lo que realmente necesitas para ser feliz? ¿Qué necesitas para tener paz? Vivir en la simplicidad es situarse en el presente. Momento a momento. Para ello, se necesita la renuncia y el desapego a un nivel profundo.

¿Cómo vivir la simplicidad, Prem Baba?

Toda esta experiencia que estamos viviendo en este ciclo de tiempo es una amarga MEDICINA para propiciar la renuncia y el desapego. Veo la vida a favor, no en contra, por muy difícil que sea a veces. ¿A quién le gusta una MEDICINA amarga? ¿A quién le gusta reformar la casa estando dentro de la casa? Creo que a nadie. Tenemos la oportunidad de renovar la casa si tenemos esa flexibilidad. Podemos adaptarnos y pronto tendremos un mejor hogar. ¿Qué es esta revolución de la conciencia si no una reforma íntima?

Mira también nuestro artículo sobre en el cual Prem Baba enseña a redescubrir el amor en el matrimonio.