Para ouvir o áudio deste satsang, clique aqui.

Sri Prem Baba: É realmente maravilhosa essa energia gerada pela oração. Fui entrando no salão e minha energia foi expandindo, expandindo e expandindo.

Vamos agora silenciar por um instante, para que as nossas células possam absorver os eflúvios vitais dessas orações. Lentamente abra os olhos, mas perceba o poder do silêncio. Nós ficamos aqui agora menos de um minuto em silêncio, apenas um instante; mas esse instante, muitas vezes, é o suficiente para alquimizar a mente, para mudar a sua percepção, seu humor. Porque esse instante é o suficiente para você pegar as rédeas da mente. Eu venho insistindo nessa técnica de você fazer pequenas paradas ao longo do dia para que você possa saborear essas gotas de silêncio, nem que sejam cinco vezes ao dia; pode ser menos, pode ser mais.

Eu parto de um número só para te ajudar nesse primeiro momento. A forma é para dar impulso à vontade, até que você possa entrar no fluxo e fazer isso espontaneamente; porque quando você reconhece o poder do silêncio e quando percebe que sua mente está caindo em decadência, começando a se arrastar atrás dos pensamentos, aí você silencia, volta para o seu centro, volta para o eixo, volta para a presença. Permita-se fazer isso algumas vezes ao longo do dia, mesmo que em um primeiro momento ainda haja algum esforço. Aos poucos isso vai deixar de ser um esforço, isso vai fazer parte do seu dia a dia, do seu comportamento. Funciona! Alguns não acreditam que funciona, mas sem ter testado. Muita gente fala coisa que não sabe, porque não experimentou. Como você pode falar que o fogo não aquece, se você não chegou perto da fogueira? Coloque em prática e chegue à conclusão por si mesmo.

Eu trabalho para que você se torne senhor de si mesmo, porque só quem é senhor de si mesmo é uma pessoa livre. Eu trabalho para que você aprenda a ouvir e a seguir o seu coração, e não as vozes diversas que tentam te levar para um lado e para o outro.

Assim, como eu te oriento a seguir seu coração, como eu dou meu melhor para que você aprenda a ouvir só o seu coração; aproveito o ensejo para dizer a importância de você renunciar ao mau hábito de querer influenciar o outro com coisas que às vezes você nem sabe, que você simplesmente acha, você só acredita. Dessa forma, você cria o péssimo karma de desviar uma pessoa do caminho dela, porque qualquer caminho que não seja o caminho da pessoa é um mau caminho. Esteja atento para não colocar o outro no mau caminho. Aprenda a admitir que talvez você não tenha respostas. É tão maravilhoso poder dizer: “Eu não sei!”. Às vezes o outro quer que você dê um empurrãozinho nele para o mau caminho; ele quer que você o desvie, ele quer que você diga para ele o que fazer. Você não sabe, mas movido pela vaidade, às vezes você quer saber e você fala: “Vá para lá, vá para cá! Faça isso, faça assado! Isso é bom, isso é ruim! Isso funciona, isso não funciona!” Isso é um péssimo hábito, você cria muitos problemas para si mesmo. Habitue-se a auxiliar a pessoa a voltar-se para ela. Se a pessoa te pede um conselho, diga: “ouça seu coração! O que o mestre diz para você?” Assim como eu digo: ouça o seu coração, porque ele conhece o caminho.

Talvez, num primeiro momento, você não saiba ouvir seu coração, mas esse é o seu principal aprendizado – ouvir o seu coração –; que é sinônimo de intuição, que é sinônimo da voz do mestre, que é sinônimo do grande Mistério, que fala também através das sincronicidades, das coincidências misteriosas e que vai te guiando. É assim que você se move em direção à liberdade.

O coração tem asas. O coração precisa voar. Eu compreendo que às vezes ele te leva para direções nas quais você se sente desafiado e que você não sabe lidar com eventos que surgem.

Há algum tempo, dei um exemplo de um rapaz que sentiu claramente o coração dizendo: “largue tudo e vá para tal cidade”. E ele sentiu o mestre confirmando dentro dele para vender suas coisas e fazer algum dinheiro para ir a essa outra cidade. Assim ele fez e chegando a essa outra cidade, ele foi roubado. Todo aquele dinheiro, junto com passaporte foi embora. Ele teve que dormir em praça pública e trabalhar lavando prato em um restaurante para conseguir comer. Mas ali ele conheceu uma pessoa, se apaixonou e começou uma nova fase da vida e aí foi indo.

E aí, surgem perguntas: “Será que eu me enganei ao atender esse comando? Será que foi uma falha na percepção? Será que era o ego disfarçado de coração dizendo para eu ir para aquela cidade?” Talvez. Como você vai descobrir, se não for se aventurando? E você não consegue chegar a uma conclusão enquanto está em trânsito. Nossa vida é feita de silêncios e de mistérios, até que você consegue sentir essa conexão com a alma do mundo a ponto de confiar mais na intuição que na razão. Esse momento chega, em que você confia mais na intuição que na razão. Passei por isso algumas vezes nessa vida. A ciência, a matemática, a razão e a lógica me provavam que eu tinha que seguir para esquerda, mas minha intuição dizia que eu tinha que ir para direita. Mas eu aprendi a reconhecer e ouvir a intuição e ali eu comprovava que a intuição é soberana, porque ela consegue, realmente, saber e perceber coisas que estão além do ego. A razão só consegue ter clareza a respeito daquilo que o ego consegue captar, que está submetido aos cinco sentidos; mas existe uma realidade além dos cinco sentidos. Essa sabedoria da incerteza é revelada aos poucos, você vai aprendendo através de erros e acertos.

Por exemplo, você diz assim:

Pergunta: Baba ji amado, Prabhu Aap jago. Eu só quero cantar para o amor despertar em mim, em todos e em todos os lugares. Nada na matrix faz sentido para mim, quero ficar aqui para sempre. Como saber se isso é uma fuga, obstinação, ou uma vontade da alma?

Sri Prem Baba: Você vai ter que descobrir por si mesmo. Às vezes eu posso interferir, dizendo objetivamente: Vá para a matrix, que você ainda tem coisas lá para resolver, ou: fique aqui! Mas, se eu faço isso, sei que estou correndo o risco de, em qualquer perturbação que você tiver, você jogá-la no meu ombro; o que também faz parte do jogo. Você está aprendendo sobre a real entrega, real confiança; e você também desenvolve a confiança e a entrega através dessas tentativas, desses movimentos, onde você pode errar ou acertar. Você está aprendendo a falar uma língua e é natural que você cometa erros; você está aprendendo a falar a linguagem do coração, a voz do silêncio, a linguagem da intuição e é ainda mais desafiador, porque não tem um dicionário ou uma cartilha, você não acha no google. Você tem que voltar-se para dentro. E, claro que se você vem para cá e realmente entra na sintonia, vai querer ficar nesse estado de vibração.

A questão é o que o karma determina; porque ele pode determinar que você esteja na matrix. Se você não compreende a palavra karma, me refiro às consequências das suas ações. Você tem responsabilidades, compromissos, mas onde quer que você esteja, se você estiver ali guiado pelo coração, todo lugar se torna sagrado e você saberá atravessar até mesmo o vale da dor e da morte, sem temer mal algum, porque você se mantém conectado, mesmo que essa travessia perturbe o seu campo de vibração.

Lembrei-me agora que quando estava vindo para cá no início da temporada, meu carro ficou preso por causa de uma manifestação em Brasília, havia uma energia de ódio tremenda no ar; estava acontecendo praticamente uma guerra. Claro que é uma situação desafiadora. Se, por conta do karma, você precisa morar em um lugar passando por tal conflito, claro que isso te influencia, mas você precisa compreender por que está ali. Quem te levou para esse lugar? Por quê? Para quê? É essa consciência que te protege e te ajuda a sustentar o seu campo vibrando alto; é a consciência do serviço, a consciência de que você está ali guiado pelo grande espírito para realizar algo. Mas se você está ali perdido, claro que você se torna vulnerável. Mesmo se sentindo guiado você acaba rebaixando a consciência e é influenciado; ainda mais quando você está perdido, sem saber o motivo de estar ali. O que realmente te ajuda é essa consciência, do porquê está em determinado lugar.

Estou dizendo que na raiz do conforto está na conexão, você sentir conectado. É o sentimento de isolamento, de solidão, de desamparo, de abandono que abre as portas para o mau. O mau que está fora se conecta com o que está dentro e cria um círculo de sofrimento. É a conexão, ou sentimento de pertencimento, que aciona um círculo virtuoso; que faz você sentir confiante, amando e assim por diante. Você está aqui sentindo-se tão bem, querendo estar aqui para sempre porque você está sentindo esse pertencimento, essa conexão, mas seu desafio é sentir essa conexão onde quer que você esteja. Embora algumas almas realmente estejam em um momento que precisam estar dentro de um campo de prece por algum momento ou por todo ele. Eu ainda não posso oferecer isso, estamos nos preparando para oferecer isso, no momento temos um Ashram na planta. Sinto que em breve ele poderá ser erguido e ser um lugar onde todo buscador cansado possa encontrar descanso e ficar o tempo que precisar. Esse é o projeto. Assim como meu mestre plantou uma árvore que realiza desejos no Sachcha Dam, onde todo buscador cansado pode encontrar descanso embaixo dessa árvore, eu também estou plantando uma nesse novo Ashram. Hoje o que temos é isso: temporadas, alguns meses aqui, alguns meses acolá. Algumas pessoas se sentem um pouco perdidas, porque querem ficar full time no Ashram, saem daqui e não sabem o que fazer das vidas porque saem daqui e não sabem o que fazer no mundo. Isso faz parte do momento de transição que o planeta está vivendo. Aqui nós estamos vivendo de uma forma menor o que se passa no planeta.

Claro que estou me referindo a um grupo específico de almas, porque há outro consciente de que precisa estar na matrix, precisa resolver alguns assuntos lá e que está bem satisfeito de vir aqui passar alguns dias, receber o Darshan, reabastecer-se e voltar. Tem de tudo, o grupo é heterogêneo. Eu sei que esse grupo que quer viver para o espírito está crescendo, é um fato. Eu sinto que isso vai chegar também. Está tudo absolutamente certo e no tempo certo, nada está fora do lugar, cada qual está na casa do jogo da vida que precisa estar para aprender a amar ou, melhor dizendo, para despertar o amor. Aprender a amar é uma forma de falar, você não aprende a amar; o amor é a fragrância da alma, o que você aprende é deixar de odiar, deixar de sentir medo, remover as capas que encobrem o ser, assim o amor se revela naturalmente. É uma forma de falar, pois todos esses processos são para você reaprender a linguagem do amor, você está na casa do jogo da vida que precisa estar para reaprender essa linguagem, restabelecer essa conexão com o coração e ser guiado por ele, pois quando você é guiado por ele, você se liberta dessa sensação de estar no lugar errado e fazendo a coisa errada, isso desaparece.

Guiado pelo coração, você vai sempre sentir-se encaixado, no lugar certo, na hora certa. Claro que para isso você precisa fechar as contas, as quais o prendem. A música toca (um celular toca no salão) porque você está devendo alguma coisa, você ouve porque tem uma conta para fechar e, assim, você se sente livre para seguir o coração. Isso chega aos poucos. Importante ter essa compreensão de que chega aos poucos.

Você me diz assim:

Pergunta: Desde ontem estamos dizendo e cantando: Prabhu Aap Jago. Eu estou sentindo em todas as minhas células, em todo o meu corpo, em toda minha alma vibrando esse mantra, vibrando o amor. Ao mesmo tempo, pessoas de diferentes visões políticas no meu país se preparam para uma violenta manifestação esse final de semana. Quero enviar essa vibração, esse amor para essas pessoas que querem machucar umas às outras, como posso fazer isso?

Sri Prem Baba: Não é só no seu país; há vários outros na mesma situação – atrelada ao círculo vicioso do sadomasoquismo. Estamos na mesma situação. O Brasil está desse jeito. Mas, vá à Venezuela, pode estar pior que aqui. Parece estar tudo bem na Europa, mas não é bem assim. Estados Unidos dizem estar pronto para uma ação militar contra a Coreia do Norte. A reunião do G20 está acontecendo agora e manifestações das mais violentas. Compreenda que essa é uma repetição, um karma desse planeta. Olhe para sua história, há pouco tempo as pessoas estavam se matando no Coliseu, torcendo para ver sangue. O despertar coletivo se dá através de você, a transformação planetária se dá através da sua transformação, quando você pode vibrar amor, harmonia, justiça, verdade, isso se esparge. Essa oração está alcançando o todo, está indo. Considero que exatamente pelo fato de essa oração estar tornando-se cada vez mais forte, nesse momento estamos vendo a sombra ganhar mais nitidez; estamos propiciando a cura. Tratamos as doenças com tratamento natural, que faz com a doença se agudize antes de ser debelada.

No começo desse ano, dei uma entrevista para um jornal – acho que O Globo – eles me pediram para falar como eu via as coisas no Brasil e qual era meu prognóstico para esse ano, eu falei que iria piorar muito, antes de melhorar ainda vai piorar um pouco. Mas de onde eu tirei isso para falar? Não foi intuição, foi pura lógica mesmo, pura razão. É assim que funciona; é como um médico que conhece uma doença e sabe qual será a evolução da doença de acordo com o tratamento que receber. Mas eu continuo acreditando que o futuro do Brasil é brilhante, continuo visualizando a possibilidade da cura. Por quê? Por coisas como essa:

Pergunta: Gratidão imensa! Quando te conheci eu era uma criança querendo chamar atenção, hoje me sinto uma mulher arriscando um novo de tudo que aprendi, sinto que a vida faz todo sentido.

Sri Prem Baba: É isso! Olha o fenômeno que está acontecendo aqui. Quantas pessoas, das mais diferentes tribos e grupos cantando o amor, celebrando a vida, se comprometendo com o despertar do amor, querendo de verdade renunciar à guerra, querendo libertar-se do medo, do ódio, querendo romper o círculo vicioso do sadomasoquismo. Estamos aqui ao vivo para dezenas de milhares de pessoas conectadas. No primeiro dia que essa conexão funcionou foram sessenta mil pessoas ao longo do dia, é muita gente. Uma coisa é a pessoa conectar com uma ideia de autoajuda; outra coisa é a pessoa se comprometer com o processo de autotransformação.

Se a pessoa chega aqui, ela quer se transformar, uma vez que eu sei que não estou passando a mão. Quando você chega aqui, a primeira coisa que faço é dar um tapa na sua vaidade. O ego espiritual chega aqui e eu “pá, pá, pá”. Se há esse número grande de pessoas querendo a verdade, considero ser muito significativo. Isso é um exemplo; há muitos outros acontecendo. Ao mesmo tempo, há muitos expurgos ou purificações. Isso é uma característica desse ciclo do tempo, o contraste fica mais evidente.

Até bem pouco tempo a gente percebia um cinzento no ar; agora o branco está mais branco e o preto mais preto. Essa é a luz de Sathya, que é a verdade irrefutável; o que sobra quando se liberta de toda a mentira, que inclui todos os conceitos, preconceitos, verdades emprestadas, todas as crenças, tudo o que não é a verdade.

Então, eu sinto que independentemente de você estar aqui no Ashram, na cidade, onde quer que você esteja, faça desse lugar um templo, faça suas orações, cante prabhu aap Jago onde quer que esteja. Por exemplo, eu canto prabhu aap aqui, maravilhoso! Mas eu sinto que a experiência mais poderosa que vivi com esse mantra foi há alguns anos em uma cidadezinha na Alemanha, onde entrei em contato com um grupo de almas muito sofrido, refém ainda de memórias de guerras, que deu origem a um vazio muito grande, muitos vícios. Em uma noite, sentindo uma dor muito grande passando pelo meu corpo, comecei a cantar Prabhu aap jago e fui tomado por um fluxo de compaixão e as lágrimas começaram a correr dos meus olhos de compaixão por aquelas pessoas tão sofridas, esse fluxo de amor passou por mim para chegar a essas pessoas, eu estava rezando por elas, mas o amor passou por mim para chegar a elas, era uma oração verdadeiramente desinteressada, mesmo assim eu fui beneficiado, pois o amor passou por mim para chegar a elas. Por isso que eu digo: não importa onde você está, se está a serviço tudo dá certo.

Por esse motivo, dou tanta atenção ao tema do propósito, ele é cirúrgico. Quem conhece um pouco de medicina chinesa, sabe que há a acupuntura, que usa muitas agulhas e que também há um sistema mais antigo, que usa apenas uma agulha no ponto certo e ela equilibra todo o sistema. Minha agulha é a consciência do propósito, que equilibra todo o sistema. Se você se reconecta com o propósito, tudo se equilibra. Uns vão demorar mais para reequilibrar, outros menos; já que alguns estão muito distantes, outros mais perto. O propósito é o programa de realização da sua alma, é o para que você veio aqui, para que você encarnou aqui. Se você se encaixa, todo o resto chega.

Quantas coisas maravilhosas nós tivemos a chance de viver nesse um mês e meio de trabalho, não foi? Para que eu não seja o único detentor dessa informação das maravilhas que acontecem aqui, estou pensando em um dia, em uma próxima temporada, abrir espaço para as pessoas darem seu testemunho, falar um pouco, porque é absolutamente incrível. Hoje fica até chato eu ficar advogando em causa própria, fica estranho, mas é incrível! Claro que para ter esse monte de gente aqui é porque alguma coisa vocês estão sentindo, caso contrário não viriam. Estou recebendo relatos de coisas realmente incríveis.

Eu peço que, na medida do possível, você não se ofenda com o fato de não ter podido atender a suas cartas e não ter dado tudo que você me pediu; eu dei o que eu pude. Estamos entrando em uma fase do trabalho onde vamos precisar nos adaptar com um novo jeito. O Darshan está mais forte para compensar a falta de um contato pessoal. Uma questão prática que vem com isso, que eu sinto que vai aliviar muita gente, é uma explicação a respeito dos nomes espirituais. Tem muita gente que quer que eu dê um nome espiritual, mas eu não consigo trabalhar assim, não faz parte da iniciação eu dar um nome espiritual. É possível que em algum momento um nome espiritual chegue, o importante é que você não tenha ansiedade com relação a isso. Há pessoas que acreditam que recebendo um novo nome se libertarão do passado; não é assim que funciona. Você se liberta do passado quando pode compreendê-lo, quando pode fechar as contas e as contas abertas têm a ver com seu nome de nascimento. Quando você estiver com as contas fechadas é possível que seu nome de nascimento não faça mais sentido e aí um novo nome talvez surja dentro de você e aí confirma comigo; ou pode vir de mim para você. Era assim que eu trabalhava no começo, depois cedi um pouco, dando um nome aqui, um nome acolá e vi que tinha algo para ser afinado. Estou afinando. Antes tarde do que nunca. Se eu disse que te daria um nome, em algum momento darei.

OM SARVE BHAVANTU SUKHINAHA

SARVE SANTU NIRAMAYA

SARVE BADHARANI PASHYANTU

MA KASHCHID DUKHA BHAA BHAVET

OM PURNAMADAH PURNAMIDAM

PURNAD PURNAMUDHACHAYATE

PURNASYA PURNAMADAYA

PURNAMEVA VASISHYATE

OM SHANTIH SANTIH SUSHANTIH BHAVATY

Cantamos assim: Que todos os seres sejam felizes, que a existência possa suprir por todas as suas necessidades, que todos possam realizar-se em Deus. Isto é perfeito, aquilo é perfeito, do perfeito se origina o perfeito, receba o perfeito do perfeito e somente o perfeito permanece, que haja paz.

Que a verdade seja vitoriosa, que a realidade divina seja vitoriosa.

Até um próximo encontro.

NAMASTE.

 

Copyright © 2015-2017 Awaken Love Associação. Todos os direitos reservados.